???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.metodista.br/jspui/handle/tede/1318
???metadata.dc.type???: Dissertação
Title: SUPORTE SOCIAL E AUTOEFICÁCIA EM IDOSOS
Other Titles: Social support and self-efficay ind elderly
???metadata.dc.creator???: Bertoldo, Dilma Medeiros
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Martins, Maria do Carmo Fernandes
???metadata.dc.contributor.referee1???: Heleno, Maria Geralda Viana
???metadata.dc.contributor.referee2???: Catão, Elaine Cristina
???metadata.dc.description.resumo???: As questões do desenvolvimento humano desde tempos remotos são de interesse das diversas áreas do conhecimento. Tendo em vista o aumento da expectativa de vida, as questões relacionadas ao processo de envelhecimento ganharam importância, principalmente no que tange às políticas de saúde. A saúde é preocupação central no campo do envelhecimento, uma vez que problemas de saúde podem acarretar diversas dificuldades para os idosos e para suas famílias. Este estudo teve por objetivo buscar identificar as associações entre percepções de suporte social e autoeficácia em idosos. Suporte social e autoeficácia são variáveis estudadas em contextos diversos. Estudos revelam que ambas são capazes de colaborar para proteger e promover saúde. Suporte social diz respeito ao grupo de informações que leva o indivíduo a acreditar que é valorizado, amado e estimado e que o faz sentir-se pertencente a uma rede social de comunicação recíproca. Autoeficácia pode ser definida como o conjunto de crenças que o indivíduo tem sobre suas capacidades para organizar e executar ações para o cumprimento de tarefas específicas. Portanto, identificar a existência de associações entre as percepções de suporte social e autoeficácia pode contribuir para dar maior solidez aos conhecimentos já existentes sobre esses temas e sobre o processo de envelhecimento. Participaram do estudo 61 idosos de ambos os sexos, com idade média de 67 anos, com grau de escolaridade que variou entre ensino fundamental até pós-graduação e participantes em ações de promoção à saúde. Todos foram voluntários e autorizaram sua participação por meio da assinatura de termo de consentimento. A coleta de dados foi feita mediante a aplicação de questionário contendo escalas para avaliar os construtos, além de questões para caracterização dos participantes. Os dados foram analisados eletronicamente por meio do cálculo de frequências, percentuais, médias e desvios padrão. Para se testar a hipótese, foi calculada a correlação (r de Pearson) entre as variáveis do estudo. Entre os resultados obtidos, a percepção de suporte social, tanto na dimensão emocional quanto na dimensão prática, para os idosos participantes deste estudo, é de que muitas vezes são amados, cuidados, estimados, valorizados e, que pertencem a uma rede de comunicação e obrigações mútuas. Em se tratando da percepção da autoeficácia, constatou-se que esses participantes possuem crenças de que às vezes é verdade que são eficazes e que conseguem organizar e executar ações para o cumprimento de tarefas específicas. Aponta-se ainda que não existem correlações significativas entre percepção de suporte social e autoeficácia, ou seja, os níveis de percepção de suporte social não variam proporcionalmente à variação das crenças de autoeficácia em idosos. Isto significa dizer que para estes participantes, não seria eficaz investir em melhorias do suporte social, pois isto não teria impacto em suas crenças de autoeficácia. Indica-se a realização de novas pesquisas com idosos não participantes de ações de promoção à saúde, pois se pode pensar que idosos não engajados nestes tipos de ações poderiam necessitar de maior suporte social e assim, terem suas crenças de autoeficácia associadas à sua percepção de suporte social.
Abstract: The issues of human development since ancient times are of interest in the various areas of knowledge. In view of the increase in life expectancy, the issues related to the aging process have gained importance, especially in relation to health policies. Health is a central concern in the field of aging, since health problems can lead to several problems for the elderly and their families. This study aimed to seek to identify the associations between perceptions of self-efficacy and social support in elderly. Social support and self-efficacy are variables studied in different contexts. Studies show that both are able to collaborate to protect and promote health. Social support refers to the group of information that takes the individual to believe that he/she is praised, loved and cherished and it does feel belonging to a social network of reciprocal communication. Self-efficacy can be defined as the set of beliefs that the individual has about their abilities to organize and perform actions to fulfil specific tasks. Therefore, identifying the existence of associations between the perceptions of social support and self-efficacy can contribute to give greater strength to the existing knowledge on these themes and on the aging process. Participated in this study 61 elderly of both sexes, with an average age of 67 years, with degree of schooling that ranged from elementary school to graduation and participants in health promotion actions. All were volunteers and authorized their participation through signing a consent form. Data collection was made upon the application of a questionnaire containing scales to evaluate the constructs, as well as issues for characterization of participants. The data were analyzed electronically through the calculation of frequencies, percentage, averages and standard deviations. To test the hypothesis, was calculated the correlation (Pearson r) among the variables of study. Among the obtained results, the perception of social support, both in the emotional dimension and practical dimension to the elderly participants in this study, is that "many times" are loved, cherished and praised and that belong to a network of communication and mutual obligations. In the case of perception of self-efficacy, it was found that these participants have beliefs that "sometimes it is true" that are effective and which are able to organize and perform actions to fulfill specific tasks. Points out that there are no significant correlations between perception of social support and self-efficacy, i.e. the levels of perception of social support do not vary in proportion to the variation of the beliefs of self-efficacy in elderly. This means that for these participants, would not be effective to invest in improvements of social support, since this would not have an impact on their self-efficacy beliefs. The realization of new research with older non-participants of health promotion actions, because they may think that the elderly are not engaged in these kinds of actions might need greater social support and thus have their self-efficacy beliefs associated with their perception of social support.
Keywords: Envelhecimento
Suporte Social
Autoeficácia
Aging
Social Support
Self-Efficacy
???metadata.dc.subject.cnpq???: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: BR
Publisher: Universidade Metodista de São Paulo
???metadata.dc.publisher.initials???: UMESP
???metadata.dc.publisher.department???: Psicologia da saúde
???metadata.dc.publisher.program???: PÓS GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA
Citation: BERTOLDO, Dilma Medeiros. Social support and self-efficay ind elderly. 2012. 86 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia da saúde) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2012.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: http://tede.metodista.br/jspui/handle/tede/1318
Issue Date: 27-Sep-2012
Appears in Collections:Programa de Pos Graduação em Psicologia da Saude

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DILMA M BERTOLDO - 2012.pdf775.51 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.