???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.metodista.br/jspui/handle/tede/11
???metadata.dc.type???: Dissertação
Title: A RELAÇÃO ENTRE CAPITAL HUMANO E CAPITAL PSICOLÓGICO
???metadata.dc.creator???: Oliveira, Edineide Maria de
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Siqueira, Mirlene Maria Matias
???metadata.dc.contributor.referee1???: Oliveira, áurea de Fátima
???metadata.dc.contributor.referee2???: Martins, Maria do Carmo Fernandes
???metadata.dc.description.resumo???: Os ativos intangíveis receberam atenção especial de estudiosos nos últimos anos, no contexto organizacional de gestão de pessoas, visto que foram desenvolvidas propostas teóricas para compreendê-los e mensurá-los. Ancorados nesta linha de investigação, encontram-se o capital humano e o capital psicológico. Enquanto o capital humano representa o que os trabalhadores sabem fazer, o capital psicológico compreende um estado mental positivo composto por autoeficácia, esperança, otimismo e resiliência. Este estudo teve, como objetivo geral, analisar as relações entre capital humano e capital psicológico. Tratou-se de um estudo quantitativo do qual participaram 60 trabalhadores, estudantes do último período do Curso de Administração, com idade média de 23,85 anos, sendo a maioria do sexo feminino, solteira e empregada. Os dados para o estudo foram coletados em salas de aula de uma universidade particular, situada na Região do Grande ABC, por meio de um instrumento auto aplicável, contendo uma medida intervalar de capital psicológico com 12 itens, validada para o Brasil, e uma de capital humano com seis questões, sendo duas para medir a dimensão experiência e quatro para aferir educação. Foi criado um banco eletrônico, o qual foi submetido a análises descritivas e de correlação (r de Pearson) por meio do SPSS, versão 19.0. Os resultados revelaram que os participantes detinham um capital humano representado por 4,38 anos médios de experiência de trabalho , e que a maioria (75%) havia revelado possuir no máximo cinco anos neste quesito. Quanto à dimensão educação do capital humano, a maioria (96,70%) não havia concluído nenhum curso de graduação, se dedicou entre 11 a 20 anos aos estudos (81,60%), não realizou intercâmbios de estudos (93%), enquanto 86,70% já incluíram, em seu currículo acadêmico, atividades complementares previstas no Plano Pedagógico do Curso de Administração que cursavam, bem como 73,30% realizaram entre um a três estágios curriculares. As análises indicaram um escore mediano de capital psicológico, acentuado pela dificuldade dos participantes para reconhecerem que estavam em uma fase de sucesso no trabalho e de conseguirem enxergar o lado brilhante das coisas relativas ao trabalho. Ao se investigar as relações entre o capital humano e capital psicológico não foram encontradas correlações significativas. Diante de tais resultados, pareceu provável que os participantes do estudo, por serem predominantemente jovens trabalhadores que ainda não concluíram um curso de graduação, embora tivessem em seu percurso de vida mais de 10 anos dedicados aos estudos e trabalhado por volta de cinco anos em média, ainda não reconheciam, em si, a presença de um consistente capital humano nem psicológico. A ausência de relação observada entre os dois ativos intangíveis preconizados por teóricos como importantes, para que o trabalhador pudesse contribuir com a empresa no alcance de suas metas, pareceu revelar que ainda eram necessários mais estudos e desenvolvimento de teorização, para sustentar não somente as hipóteses acerca de ativos intangíveis, como também permitir identificar a relação de dependência que pudesse existir entre as categorias de capital humano e psicológico.
Abstract: Intangible assets received special attention from scholars in recent years in the organization context of human resource management, since theoretical proposals were developed to understand (them) and measure them. Anchored in this line of research are human capital and psychological capital. While human capital is what workers can do, the psychological capital consists of a positive mental state made up of self-efficacy, hope, optimism and resilience. The overall purpose of his study was to analyze the relationship between human capital and psychological capital. It s about a quantitative study which involved 60 workers, students of the last period of Business Administration, with a average age of 23.85 years, mostly female, single and employed. Data for the study were collected in classrooms of a private university found in the Greater ABC area , through a self-administered instrument containing an interval measure of psychological capital with 12 items, validated for Brazil, and a measure of capital human with six questions,with two to measure the experience range and four to probe education. An eletronic database was design which was submitted to descriptive analysis and correlation (Pearson s) by means of SPSS 19.0 The results revealed that participants held a human capital represented by average 4.38 years work experience and that the majority (75%) had revealed to have a maximum of five years in this topic (regard). Regarding the dimension extent of education of human capital, the majority (96.70%) had not completed any graduate course, spent between 11 and 20 years to the studies(y) (81.60%), didin t exchange shift studies (93%), while 86.70% (is) already included in their academic curriculum complementary activities in the Educational Plan of Business Administration Course attended, and 73.30% had between one and three internships. The analysis poit out a median score of psychological capital, 9 accentuated strengthened by the difficulty of the participants to recognize that they are in a phase of success at work and could see the bright side of things on the job. Investigating the relationship between human capital and psychological capital significant correlations were not found. Given these results, it s presumable that the study s participants, for the reason of being predominantly young workers who have not yet completed an undergraduate degree, although in its way of life more than 10 years devoted to studies and worked for about five years on average still do not recognize themselves, in the presence of a consistent human capital psychological. The lack of relationship observed between the two intangibles advocated by theorists as important to ensure that employees can contribute to the company in pursuit of their goals seems to reveal that more studies are still needed and developing theory to support not only the assumptions about asset intangible as well as to identify the relationship of dependence that may exist between the categories of human capital and psychological.
Keywords: Capital humano
capital psicológico
ativos intangíveis
organizações
Human capital
psychological capital
intangible assets
organizations
???metadata.dc.subject.cnpq???: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: BR
Publisher: Universidade Metodista de São Paulo
???metadata.dc.publisher.initials???: UMESP
???metadata.dc.publisher.department???: Gestão de organizações
???metadata.dc.publisher.program???: PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO
Citation: OLIVEIRA, Edineide Maria de. A RELAÇÃO ENTRE CAPITAL HUMANO E CAPITAL PSICOLÓGICO. 2011. 66 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de organizações) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2011.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: http://tede.metodista.br/jspui/handle/tede/11
Issue Date: 6-Oct-2011
Appears in Collections:Programa de Pos Graduação em Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Edineide Maria de Oliveira - finalissima 0711.pdf413.55 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.